quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

US$ 26 mil cada: bancos pagam jantar para Moro em NY

Juiz foi escolhido personalidade do ano
Só apareceram até agora sete patrocinadores para as mesas principais do jantar em que a Brazilian-American Chamber of Commerce homenageará o juiz Sergio Moro e o ex-prefeito de Nova York Michael Bloomberg  personalidades do ano, em maio.
Entre os confirmados estão Bradesco, Itaú BBA e Santander.
No ano passado, quando o prefeito João Doria (PSDB) e o ex-embaixador americano Thomas Shannon foram escolhidos, as mesas principais atraíram 15 patrocinadores.
Cada uma com dez lugares, as mesas garantem acesso privilegiado aos homenageados na festa e custam US$ 26 mil.  (Folha Painel)

quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

Só temos uma tarefa: ir para o segundo turno, diz Alckmin

Em conversa com deputados do PSDB, na noite de ontem, o governador de São Paulo e presidente nacional da legenda, Geraldo Alckmin, afirmou que o desafio do partido vai ser chegar ao segundo turno das eleições presidenciais. "Nós só temos uma tarefa: ir para o segundo turno", afirmou.

O governador disse que "as coisas estão caminhando" e que o principal desafio para a sua candidatura à Presidência será articular bons palanques estaduais. "A situação é favorável se tivermos juízo", afirmou Alckmin. Questionado sobre o que significava ter "juízo", o governador falou que o principal ponto é o PSDB caminhar unido. "Juízo é o partido estar unido, trabalharmos em torno de um grande projeto, para unir o País”.
Estagnado nas pesquisas, Alckmin tem tido dificuldade de convencer o PSDB da viabilidade da sua candidatura. Ele também não tem conseguido atrair outros partidos, como o DEM, para uma aliança.
Ontem, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso defendeu que a candidatura do apresentador Luciano Huck seria boa para o Brasil. Horas depois, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que também é pré-candidato à Presidência, disse que Alckmin teria de trabalhar para alcançar o segundo turno.
Alckmin admitiu que a possibilidade de o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não poder disputar a eleição deve favorecê-lo na disputa. "Com Lula candidato você tinha uma vaga ocupada (no segundo turno), e ia disputar a segunda. Com o Lula não sendo candidato, são duas vagas para disputar", disse.

Peritos da PF defendem adoção do voto impresso

A Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais (APCF) divulgou nota, hoje, defendendo a adoção do voto impresso no país.
Prevista em lei de 2015, a impressão do voto foi contestada nesta segunda-feira (5) pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge, junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) e enfrenta resistência no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).
O voto impresso já é usado em outros países e funciona da seguinte maneira: após completar a votação na urna, a impressora emite um registro de cada voto, que fica visível ao eleitor para conferência e depois é depositado automaticamente num recipiente lacrado.
O objetivo é possibilitar eventual conferência do resultado das urnas eletrônicas em caso de suspeita de fraudes na captação ou apuração dos votos.
“A perícia criminal federal já analisou as urnas eletrônicas e concluiu que a impressão do voto é necessária para aprimorar a segurança e o sistema de auditoria do processo eleitoral. Após a escolha do candidato no sistema eletrônico, o voto é impresso, conferido pelo eleitor e depositado numa urna”, diz a nota da APCF.
“Em qualquer sistema é preciso haver uma forma não eletrônica de auditoria, que não possa ser adulterada sem acesso físico. É esse o objetivo da impressão do voto: ser mais um elemento de segurança para o sistema”, completa a manifestação.

Renan sobre Temer: Trabalhou pouco e ganha muito

O senador Renan Calheiros (MDB-AL) vai soltar nas redes um vídeo em que bate (mais uma vez) no presidente Michel Temer. O foco, dessa vez, é a mal falada reforma da Previdência.
Renan vai lembrar que Temer se aposentou com apenas 58 anos e com salário de 68 mil reais. “Acha que fez por merecer…”, diz. “Trabalhou pouco e ganha muito”, completa.


“Michel, o presidente, quer prescrever aos brasileiros o remédio amargo que ele mesmo, o Michel cidadão, não quer tomar”, finaliza o senador.

PT leva Fux a dizer o óbvio: Ficha suja está fora!

Josias de Souza
Lula e o Partido dos Trabalhadores não costumam perder a oportunidade de perder uma oportunidade. Assim, em vez de acionar um plano de contingência, o petismo transforma sua campanha presidencial numa procissão. Lula vai no andor, fazendo pose de vítima de uma inquisição. Os devotos o acompanham com suas orações. Ao tomar posse na presidência do Tribunal Superior Eleitoral, o ministro Luiz Fux atravessou o óbvio no cortejo companheiro: “Ficha suja está fora do jogo democrático.”
Sem mencionar o nome do santo, Fux esclareceu que a Lei da Ficha Limpa não abre brecha para milagres. O sujo não vai virar uma asséptica criatura. Com outras palavras, o que o novo presidente do TSE declarou foi o seguinte: Com um pregador talentoso e devotos crédulos, pode-se fazer uma tremenda campanha chamando corrupto de candidato. Embora ele continue sendo corrupto.
“A corrupção será severamente punida, para que os atuais problemas do Brasil, que desfilam nas manchetes de jornais e nos noticiários, representem uma visão longínqua no retrovisor da história”, discursou Fux. “Uma pessoa corrupta, uma pessoa ímproba e uma pessoa antiética na vida pregressa não conduz o país para um novo futuro. Conduz o país para o atraso e para a degradação.”
Rendido às conveniências criminais de Lula, o PT imagina que o drama de sua divindade pode, no mínimo, atrair votos para os candidatos da legenda ao Legislativo. Será? Na dúvida, o petismo continuará esbarrando no óbvio.


Novas condenações virão. Mas o PT tropeçará no óbvio fingindo não perceber que o óbvio é o óbvio. Até que a Justiça Eleitoral, lá para agosto ou setembro, aponte para o óbvio e proclame: “Ali está o óbvio: um condenado por corrupção, com sentença confirmada em tribunal de segunda instância. Pede o registro de sua candidatura. Mas trata-se, obviamente, de um personagem inelegível. Está fora do jogo democrático.”

terça-feira, 6 de fevereiro de 2018

Lula defende diálogo com o PSB e Armando Monteiro.

Blog da Folha
A condenação do ex-presidente Lula na segunda instância da Justiça pode inviabilizar a candidatura presidencial de Lula. Mas, independente disso, o petista será o grande articulador eleitoral do PT, neste ano. Ao se referir à correlação de forças em Pernambuco, hoje, disse que o partido avalia a possibilidade de lançar uma candidatura própria, que pode ser a da vereadora do Recife, Marília Arraes, ou a do deputado estadual Odacy Amorim. Mas também colocou que abrirá o diálogo com lideranças do PSB e, inclusive, com o senador Armando Monteiro (PTB), que hoje está no campo da oposição ao governo estadual, junto com atores que fazem parte do governo Michel Temer.
“Nós vamos deixar para discutir isso a partir de abril, quando estiver chegando o processo das convenções partidárias. Sabe, o PT pode voltar a conversar com o PSB aí em Pernambuco, o PT pode conversar com o Armando Monteiro. O PT pode ter candidatura própria. Nós temos pré-candidatos. Temos a Marília, temos o Odacy, temos José de Oliveira. O problema é que eu não quero precipitar os fatos (...) Vamos fazer um acordo programático com as forças políticas que quiserem participar conosco. Sem nenhum trauma, sem nenhuma violência. A coisa mais impossível do mundo era você imaginar Jarbas Vasconcelos e Eduardo Campos estarem juntos, competindo eleição juntos, e competiram”, afirmou Lula, em entrevista à Rádio Jornal.
Ao se referir sobre a possível aproximação com o PSB, o petista ressaltou que a morte do ex-governador Eduardo Campos causou “uma fissura”. “Houve problemas e o PSB em alguns lugares rompeu com o PT e em outros não. Tudo isso faz parte do cenário político local. Agora está chegando uma nova eleição e os partidos precisam pensar o que é melhor para cada um e o que é melhor para o povo brasileiro. O que é melhor para o povo de Pernambuco. Ou seja, se é a gente continuar brigando com um possível aliado capaz de se construir um programa para o Estado ou se a gente vai simplesmente fazer sozinho a eleição, porque não vai fazer aliança com ninguém”, pontuou.

Duque e Marília tocam os sinos das catedrais petistas

Blog do Júnior Campos
O prefeito de Serra Talhada, Luciano Duque, e a vereadora do Recife e pré-candidata ao Governo de Pernambuco, Marília Arraes, ambos do Partido dos Trabalhadores (PT), têm muito o que comemorar. Não só com relação à ascensão de Marília nas pesquisas para a corrida até o Palácio do Campo das Princesas, mas, também, no que diz respeito à repercussão estadual do exército vermelho de mais de 3 mil pessoas que o gestor da Capital do Xaxado colocou para marchar na onda crescente da neta de Miguel Arraes, que vem se consolidando na preferência do eleitor pernambucano para o pleito eleitoral deste ano.
A movimentação pró-Marília, articulada pelo prefeito de Serra Talhada – Sertão do Pajeú, ocorrida no último dia 27 de janeiro, em um dos Ginásios Poliesportivos da cidade, teve repercussão estadual, e surpreendentemente chacoalhou até setores importantes da Mídia Nacional.
A edição online da Revista ISTOÉ, já deste mês de fevereiro, por exemplo, destacou em seu site que “O PT faz planos para a eleição de 7 de outubro e lançou a vereadora Marília Arraes, neta de Miguel Arraes, para o governo de Pernambuco. Aos 33 anos, Marília apareceu com 14,5% na primeira pesquisa, em empate técnico com o governador Paulo Câmara (15%) e atrás apenas do senador Armando Monteiro, com 20,5%”.
Já o renomado Jornal do Commercio, frisou em suas páginas, para todos os pernambucanos e o resto do país, as seguintes afirmativas: “Autonomia para Duque, interesse local deve ser prioridade”, além de focar o poder de articulação política do PT da terra de Lampião, liderado pelo prefeito, com a seguinte manchete: Ducado do Sertão faz barulho no PT.
O fato interessante é que, Luciano Duque e Marília Arraes estão projetando Pernambuco para todo o país, e tocando os “sinos das catedrais petistas nacionais”. E outro fato curioso é que, o chamado grupo do G4, também opositores de Paulo Câmara, tendo todos os ministérios, nomes e altos cargos políticos na esfera federal, não conseguiram a façanha de fazer as pernas dos governistas de Pernambuco cambalearem de tensão e atenção com a força da dobradinha mais famosa do PT – Duque / Marília – para as eleições estaduais do Brasil.
Embora não vá concorrer à vice-governador, mais uma vez, Duque estremece o tabuleiro do xadrez político do estado de Pernambuco em 2018; não com um famoso Xeque-mate, mas com um gritante: Arraes tá aí, Arraes tá aí de novo!